Make-up sex: The best sex

Quando ele abriu a porta daquele hotel era como se tivesse sido ontem a última vez que a gente tinha feito amor.

Eu não acho que todo sexo que eu fiz na vida tenha sido amor, mas com o H sempre foi.

Ele abriu a porta e a gente se beijou como todas as vezes.

A gente se beijou com saudade.

Eu comecei a tirar minha roupa imediatamente, enquanto a gente se beijava e nosso corpo falava o quanto de saudade a gente estava um do outro.

Eu não estava molhada.

Eu estava encharcada de desejo.

H estava duro, muito duro.

A gente nunca conseguiu ter preliminares, no momento que eu sentia o pau dele latejar e ele sentia minha buceta molhada, não dava pra segurar e só ele pulsando dentro de mim conseguia me acalmar.

Enquanto ele estocava minha buceta com vontade a gente se olhava no olho e eu via a expressão de amor e prazer que ele tinha.

H sempre foi meu e eu sempre fui dele.

Nesses 6 meses que a gente ficou separado eu transei  com outros caras, porque você sabe, não consigo manter as pernas fechadas, mas nenhum deles foi pra mim como o H.

Talvez o R, mas nem ele chegou perto suficiente.